Artigos

Sem Manejo, Carência ou Descarte a Homeopatia Previne e Trata as Principais Doenças da Pecuária Moderna

Voltar 01/08/2022

Das cinco doenças mais comuns e prejudiciais à pecuária, três são transmitidas por parasitas: a babesiose e a anaplasmose (contágio via carrapato) e a tripanossomíase (contágio por moscas hematófagas).

Portanto, não é difícil perceber que o controle estratégico de tais vetores é fundamental para quem deseja obter o sucesso no segmento. Nesse caso, o termo “estratégico” refere-se não só ao conceito primordial de “investimento x benefício”, mas também visando atender as exigências de um mercado cada vez mais focado na sustentabilidade.

Quando se trata de “investimento/ benefício”, a grande questão é apresentar ferramentas com eficácia comprovada para o controle desses e outros vetores, onde, não importa o tamanho, a produção seja suficiente para custear o tratamento.

E ainda, mesmo que os insumos caibam no orçamento, a necessidade de mão de obra em excesso e caros equipamentos para a sua aplicação pode inviabilizar o uso de alguns métodos.

Já no quesito sustentabilidade, é preciso atenção às aspirações de um mercado que já descobriu a importância de se produzir com o mínimo de resíduo, e de alarmante histórico de resistência a certas moléculas.

Para completar a lista de exigências do mercado atual, o bem-estar dos animais é uma grande preocupação do consumidor atual, o que deve ficar ainda maior com o passar do tempo.

Não é de hoje que a Homeopatia apresenta ferramentas que vão ao encontro destas e outras aspirações da produção pecuária. O uso veterinário populacional da terapêutica é uma realidade que contribui e facilita o trabalho do homem do campo, simplificando o manejo, reduzindo a mão de obra e favorecendo o bem-estar dos animais.

Óbvio que tais ferramentas não alcançariam o sucesso e o seu desenvolvimento de mercado se não possuíssem eficácia comprovada.

Controle de Parasitas com uso de Complexo Homeopático

Com resultados extremamente favoráveis na prevenção e tratamento de diversas patologias a homeopatia tem sido utilizada em caráter populacional há mais de três décadas. Sua segurança é inquestionável, uma vez que suas formulações ultra diluídas e dinamizadas, excluem os riscos de intoxicação mesmo em casos de superdosagem.

Pelo mesmo motivo, os ricos de contaminação são nulos, e, portanto, os animais que consomem tais medicamentos não passam por qualquer período de carência, seja para o consumo da carne, seja para a produção de leite.

Há ainda o benefício da utilização simplificada, que não requer manejos complicados, seringas agulhas ou outros dispositivos. Os animais consomem os medicamentos misturados na própria alimentação, seja em procedimentos mecanizados, como os vagões forrageiros, por exemplos, seja na simples mistura no cocho, com a mão mesmo, se requerer, nem mesmo, o uso de luvas, tamanha segurança dos produtos.

Estudo 1

Para assegurar a eficácia e segurança dessas tecnologias, experimentos científicos são realizados frequentemente em parceria com instituições de ensino e pesquisa.

É o caso do trabalho realizado na Universidade Estadual do Rio Grande do Sul / Unidade Cachoeira do Sul, pela Bacharel em Agronomia, Natália Freitas Scherer; sob a orientação da Profa. Dra. Mônica Vizzotto Reffatti e Co-orientação do Med. Vet. Sinval Corrêa de Freitas Filho.

Apresentado a seguir, o trabalho objetivou avaliar o uso de homeopatia no controle do carrapato Rhipicephalus (Boophilus) microplus, em bovinos de corte pastejando em campo natural. Foram avaliados dois grupos de vacas com cria ao pé, da raça Braford, dos quais um grupo recebia sal mineral adicionado do produto homeopático (VH), e outro grupo apenas sal mineral (VA).

Foi estabelecido que, na presença de 20 ou mais teleóginas, acima de 4mm, seria realizada intervenção química para controle da infestação. Também foram avaliados tamanho, postura, peso e eclodibilidade dos ovos de teleóginas coletadas em ambos os grupos.

Os resultados podem ser observados na tabela abaixo, contendo o número de teleóginas com mais de 4mm e teleóginas que realizaram postura, e número de intervenções químicas realizadas em vacas com cria ao pé, recebendo tratamento homeopático ou alopático.

TT= total de teleóginas coletadas;

T4 = teleóginas com mais de 4 mm;

TP= teleóginas que realizaram postura;

IQ = número de intervenções químicas;

VH = grupo que recebeu tratamento homeopático;

VA = grupo que recebeu tratamento alopático;

Médias seguidas de letras distintas na mesma coluna diferem entre si pelo teste de Tukey (P<0,05).

Fonte: Autor (2019)

Figura 1 – Fêmeas de carrapato coletadas de vacas recebendo tratamento alopático (VA) ou homeopático (VH) para o controle de carrapatos, após cinco dias da coleta.

Tabela 2 – Peso total e percentual de eclosão dos ovos de teleóginas coletadas em vacas recebendo tratamento homeopático (VH) ou alopático (VA) para controle de carrapatos.

CONCLUSÃO

A utilização de produto homeopático foi eficiente no controle da infestação por carrapatos, em bovinos de corte na pastagem natural, apresentando-se como excelente alternativa aos acaricidas químicos tradicionalmente utilizados.

Estudo 2

O segundo foi realizado em Inconfidentes, MG, no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais pela Engenheira Agrônoma Stela Soares Zamboin, sob orientação do Dr. Edu Max da Silva e com apoio do médico veterinário Ricardo Melotti.

 

O objetivo foi controlar a infestação de carrapatos nos animais em lactação da raça Holandesa Preto e Branco (HPB), sob sistema intensivo, utilizando medicamento homeopático na dieta.

 

Durante os meses de janeiro a julho, o rebanho de 30 vacas em lactação foi dividido em dois grupos, sendo um grupo tratado (GT) e um grupo controle (GC). Os animais do GT receberam 30g vaca/dia do medicamento homeopático via dieta total, 1 vez ao dia.

 

Os grupos foram monitorado quanto à infestação de carrapatos (contagem de teleóginas a cada 21 dias) e quantidade de banhos químicos realizados. No início do experimento todos os animais receberam banho carrapaticida.

Figura 3 – Visual das teleóginas do mesmo dia/diferença.

Figura 4 – Visual de carrapatos (teleóginas) por animal em um dia de contagem.

Tabela 3 – Número de banhos por grupo no período.

Comparação do Grupo Tratado (GT) com medicamento homeopático e do Grupo Controle (GC) na produção média de leite e contagem média de carrapatos por animal.

Conclusão

O uso da homeopatia permitiu o controle efetivo da infestação por carrapatos nos bovinos. O custo do tratamento homeopático foi 84% menor quando comparado ao tratamento do grupo controle.

O manejo com o medicamento homeopático é simples e objetivo, dispensando o uso de contenção animal, equipamentos de segurança, livre de risco de intoxicação, para funcionários e animais, não causa resistência e resíduo zero.

Compartilhe:

Deixe um Comentário