67 3028 9000

+ TELEFONES

Lei dos Semelhantes

A Lei dos Semelhantes “Similia Similibus Curantur” sobre a qual se baseia a Homeopatia e segundo a qual determinada doença é curada pela substância capaz de reproduzir os mesmos sintomas da doença, não é um princípio criado ou forjado para justificar uma forma Terapêutica, trata-se de um Principio ou Lei Natural que teve sua existência reconhecida e comprovada pelo homem desde a mais remota antiguidade.
Quatro séculos antes de Cristo, na Grécia, berço da conhecimento ocidental, a cultura helênica florescia com Sócrates e Platão que tiveram a preocupação de lançar suas idéias sobre o Homem e sobre Filosofia. Nesta conjuntura extraordinária de grandes pensadores viveu HIPÓCRATES hoje denominado o Pai da Medicina.
HIPÓCRATES é reconhecido por ter se preocupado em registrar (escritos) todos os conhecimentos médicos de sua época. Segundo ele, três são os grandes princípios ou leis de cura das doenças, a saber:

“Natura Medicatrix”
“A natureza é o médico das doenças. A natureza sem instrução e sem saber faz aquilo que é mais conveniente.”

“Contraria Contraribus Curantur”
“Se conhecemos a causa da doença estaremos em condição de administrar o que é útil tomando nos contrários a indicação dos remédios. “Em outras palavras os contrários são os remédios dos contrários pois os tratamentos são supressão ou suplementação: supressão do que está em excesso e suplementação do que está em falta”

“Similia Similibus Curantur”
“A doença é produzida pelos semelhantes e pelos semelhantes que se administra o paciente volta da doença à saúde. A febre é suprimida por aquilo que a produz e é produzida por aquilo que a suprime. O que produz a estrangúria que não existe, cura a estrangúria que existe.”

Na realidade estes três princípios gerais de cura codificados por HIPÓCRATES sintetizam a ação da Medicina até nossos dias, devendo-se contudo salientar que somente os dois últimos a Lei dos Contrários e a Lei do Semelhantes sejam realmente aplicados.
O progresso e a evolução sofridos pelo conhecimento médico no campo semiológico, no de diagnóstico e da terapêutica, relegaram ao abandono e esquecimento o ”Natura Medicatrix” o que no entanto não lhe rouba a validade em determinadas circunstâncias.
HIPÓCRATES ao registrar os três princípios fundamentais de cura revelou não só sua sagacidade, como sua sabedoria e tolerância “sendo o único que soube fugir aos dogmas e aplicar a lei suprema da oportunidade em Terapêutica .”
GALENO (2o século DC), que exerceu grande influência em seu tempo, enquadrou a prática médica numa anatômica dogmática, aristotélica relegando ao abandono a Lei dos Semelhantes.
Excluído desta forma da prática médica, o conhecimento hipocrático foi, contudo, preservado no Oriente e de uma certa maneira foi re-introduzido no continente europeu com a invasão da Europa pelos árabes.
PARACELSO no século XV, CROLLIUS no início e o Pe KIRCHER no fim do século XVII, marcaram suas épocas ao reavivarem através de profundos estudos a importância da Lei dos Semelhantes na prática Terapêutica.
SAMUEL HAHNEMANN (1755-1843) nascido em Meissen na Alemanha teve o indiscutível mérito de redescobrir a Lei dos Semelhantes relegada até então ao ostracismo.
Estudioso desde criança, dotado de inteligência brilhante e de extraordinária capacidade de comparação e dedução, formou-se aos 24 anos (1779) em Medicina pela Escola de Medicina de Leipzig, importante centro de estudos médicos da época.
Instalou-se em Dresden na Alemanha, onde apesar de ser jovem grangeou uma clientela razoável. Inconformado com a pobreza de recursos terapêuticos de seu tempo, quando ainda predominavam o uso de sangrias e de purgantes, HAHNEMANN teve a coragem de abandonar o exercício da medicina. Nestas circunstâncias, para prover o próprio sustento e de sua família, como escrevia e falava fluente cinco línguas, passou a dedicar-se à tradução de obras de medicina.
Ao fazer a tradução da Matéria Médica de CULLEN, não se conformou com a incoerência das explicações do autor sobre a ação do quinino e decidiu experimentar a droga sobre si mesmo.
Ingeriu durante vários dias doses de quinino e passou a sentir manifestações de febre intermitente, em tudo semelhante as que ocorriam no quadro Malária, para cuja a doença o quinino era naquele tempo o único medicamento eficaz e ainda é eficaz nos dias atuais.
As semelhanças entre as manifestações clínicas provocadas pelo quinino e o quadro da malária não passaram despercebidas por HAHNEMANN que repetiu o experimento do quinino em si próprio várias vezes com os mesmos resultados.
HAHNEMANN não limitou seus estudos experimentais ao quinino, utilizou-se também de outras drogas em si e em seus familiares, constatando o mesmo fenômeno, isto é, que os sintomas provocados pelos medicamentos reproduziam nas pessoas sãs os mesmos sintomas das doenças que eram capaz de curar.
Estava assim redescoberto o princípio básico enunciado por HIPÓCRATES “Similia Similibus Curantur” e sobre o qual se fundamenta a HOMEOPATIA.
Para evitar os fenômenos tóxicos das substâncias experimentadas, HAHNEMANN, passou a diluir os medicamentos em escala centesimal imprimindo entre uma diluição e outra determinado número de sucussões (agitações) as quais denominou de Dinamizações. Desta forma as substâncias diluídas e dinamizadas passaram a constituir os medicamentos homeopáticos, cuja ação reside na energia liberada das substâncias medicinais usadas no decurso de sua preparação.
A aplicação dos medicamentos homeopáticos se baseia na denominada Matéria Médica Homeopática que é o repositório da descrição dos sintomas obtidos pela experimentação dos medicamentos assim preparados no homem são.
Nas matérias médicas os medicamentos são denominados em latim e dispostos em ordem alfabética, o que evita confusões de denominação e facilita a busca dos medicamentos.
Quando maior for a semelhança entre os sintomas apresentados pelo indivíduo e os do medicamento, constantes na Matéria Médica, tanto maiores serão as possibilidades de cura do paciente.
Ao estabelecer a experimentação de substâncias diluídas e dinamizadas em pessoas sãs, processo experimental logo adotado por seus seguidores, HAHNEMANN teve o grande mérito de criar o “sistema do duplo cego” isto é o experimentador desconhece a substância que esta sendo testada e as pessoas que participam, da experimentação também desconhecem o medicamento que estão tomando. Esta forma de proceder as experimentações, elimina por completo a possibilidade de inclusão na descrição do quadro de sintomas dos medicamentos de manifestações que não tem nada a ver com sua ação.
HAHNEMANN e por conseguinte a HOMEOPATIA ao estabelecer a necessidade da procura do “simillium”, ou seja, a busca do remédio cujos sintomas sejam os mais análogos aos do paciente, tornaram a HOMEOPATIA um Terapêutica individual.
Existem doenças e doentes, mas tratam-se somente os doentes.
Como terapêutica individual no sentido curativo, a HOMEOPATIA vem sendo utilizada com grande sucesso não só por médicos como também por veterinários no dia-a-dia no exercício da clínica.
WILHEM LUX (1777-1849) veterinário homeopata, contemporâneo de HAHNEMANN, foi o primeiro a tratar epidemias em animais em caráter coletivo usando isoterápicos, isto é, medicamentos preparados homeopaticamente a partir de produtos patológicos dos doentes. Neste sentido curativo vários trabalhos têm se sucedido ao longo dos anos.
No final da década de 1980, surgiram alguns trabalhos sobre a aplicação de produtos homeopáticos em porcos e aves em lotes de animais não com caráter curativo, mas zootécnico (BRIONES, F. 1987, AHUMADA, C. ett alli, SAAD, S. 1991, in DE MEDIO, H. 1993) .
Visando melhorar a produtividade e rentabilidade do rebanho bovino na região Centro-Oeste do Brasil, iniciou-se em 1987a utilização de produtos homeopáticos adicionando-os às misturas minerais utilizadas nas fazendas de criação. Desta forma admitindo-se que os animais se aproximem do cocho para lamber o sal pelo menos uma vez ao dia, estariam diariamente recebendo a influência e a ação HOMEOPATIA.
Os resultados foram satisfatórios, podendo-se dizer que hoje (1996) um rebanho em torno de 1.000.000 cabeças de gado recebe a ação de produtos homeopáticos. Este rebanho encontra-se distribuído não só no estado do Mato Grosso do Sul, como também nos estados do Mato Grosso, Goiás, São Paulo, Paraná e em algumas criações no Paraguai.
O primeiro experimento realizado teve a duração de 552 dias e foi realizado na Fazenda Oriente em Água Clara/MS.
Foram estabelecidos três lotes de vacas nelore vazias totalizando 530 animais, com a lotação de uma vaca por hectare. Cada lote passou a dispor de duas invernadas de Brachiaria decumbens de mesma época de formação e mesmo aguada, sendo as misturas minerais utilizadas a única diferença entre os lotes. O Lote 1 recebeu a mistura usada na fazenda com 43g de fósforo. O Lote 2 recebeu mistura mineral amplamente consumida no país com 87g de fósforo adquirido no comércio e que se denominou de Sal Oriente. O Lote 3 recebeu o Sal Mineral com produtos Homeopáticos, com 43g de fósforo.
Em cada lote dez vacas foram numeradas para fornecerem sangue para determinações bioquímicas e biópsias ósseas.
Objetivo: Avaliação do emprego de medicamentos homeopáticos incorporados diretamente no Suplemento Mineral. Este gráfico (em quilos) apresenta os resultados das vacas numeradas figurando em cada lote só as que pariram e se encontravam prenhas pela segunda vez na ultima pesagem. Verifica-se que as vacas do Lote do Sal Mineral com Homeopatia tiveram um ganho de carcaça de 73 kg contra 33 kg nos outros dois.
O melhor estado das vacas do Lote tratado com Sal Mineral com Produtos Homeopáticos se refletiu na fertilidade do segundo ano. As vacas conceberam mais cedo, com diferença muito significativa sobre os outros dois lotes.

É importante observar no gráfico acima, que o lote de bezerro tratados com Sal Mineral com Produtos Homeopáticos com um bezerro a menos que o lote do SAL do COMÉRCIO pesou mais 1.284 quilos (+ 9,37%) em 21/12/90 e mais 3.181 quilos (+12,99%) em 15/05/91, mostrando não só que os bezerros gerados, gestados e amamentados com sal com HOMEOPATIA tiveram melhor desempenho, como também que este desempenho aumenta com o transcurso do tempo.

Verifica-se neste gráfico acima, que as vacas do lote tratado com Sal Mineral com Homeopatia ganharam na média mais 7,8 kg além de produzirem a desmama mais pesada, é importante salientar que a primeira pesagem (10/02/90), de todas as vacas do experimento só ocorreu 92 dias após seu inicio, podendo-se já constatar no peso das vacas do lote 3 ( Homeopático) o efeito dos medicamentos homeopáticos.
O núcleo de produtos homeopáticos adicionados ao carbono de cálcio neste experimento recebeu o nome de CONVERT H e também foi experimentado em confinamentos, proporcionando em todos os experimentos, percentuais de ganho de peso superiores aos obtidos pelos grupos testemunhas. Estes percentuais a mais que variaram de 5,8% a 23,33% .Esta variação é função da qualidade da alimentação fornecida e também da potencialidade genética dos animais confinados.
Em todos os confinamentos onde o CONVERT H foi utilizado, notou-se que os animais mudaram o comportamento, ingeriram menos alimentos e tiveram melhor conversão traduzida por maior ganho de peso.
A mudança no comportamento dos animais confinados caracterizou-se por maior mansidão e o desaparecimento total da sodomia, quando os animais confinados eram inteiros.

As tabelas em seqüência mostram resultados controlados em experimento feito na Fazenda Chapadão (Kasper & Cia Ltda) em Chapadão do Sul/MS. NS: Diferença não significativa
* : diferença muito significativa (p=0,5%);
** : diferença muito significativa (p= 0,1%).

O Lote Homeopático em 103 dias proporcionou um ganho a mais de 13,12 kg (+23,33%) com um ganho diário a mais de 0,128 kg (+23,48%).
O Lote Homeopático teve uma ingestão menor de alimentos com uma sobra de 7.930 kg em relação ao Lote Controle equivalendo a 5,77% da ração fornecida.
Verifica-se que o lote Homeopático consumiu menos 5,21 kg de ração por Controle. O Lote Homeopático superou o Lote Controle com diferença muito significativa (p<0,5%) para os pesos médios e muito significativa (p>0,1%) para ganhos de peso com uma conversão alimentar 23,86% melhor.
Para verificar se a sobra de alimentos registrada nos lotes Homeopáticos só ocorria em confinamentos, foi montado um experimento a campo.
Neste experimento foram envolvidas 315 novilhas que foram colocadas em duas áreas de Brachiaria decumbens, contíguas, com a mesma lotação (0,7 UA1 /Ha). O experimento foi realizado na fazenda Oriente onde já havia sido feito o primeiro experimento.
Na mensuração da pastagem foi utilizado o método australiano. A medição da pastagem foi coordenada pelo professor da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul MS, PhD em Genética e Melhoramento Animal e professor de Bioestatística do Curso de Medicina Veterinária.
Após um ano foi feita a avaliação da pastagem existente nos dois lotes Controle e Homeopático. Como se pode verificar pelo gráfico abaixo, a sobra de alimentos registrada nos confinamentos também ocorre a campo.

A sobra total de pasto na área do Lote Homeopático foi de:
Sobra Total : 1.349,80 kg / hectare
Área Total : 107,6 Hectares
Sobra Total : 145.238,43 kg a mais (que o Lote Controle)

O resultado da sobra de capim é relevante considerando-se que no início do experimento as condições de pastagem eram idênticas em ambas as invernadas e que receberam a mesma carga animal por hectare (280 kg/Ha).
É importante ainda considerar que durante a estiagem de 1994, o Lote Controle foi retirado de sua invernada por 87 dias (15/08 a 17/11/94) por absoluta falta de forragem, enquanto o Lote Homeopático permaneceu na sua invernada durante 365 dia do ano.
Usando-se como padrão de medida a ingestão de 75 gramas de massa verde por quilo de peso vivo, equivale a UFL (unidade forrageira lastro) estabelecida pelo INRA / França, teríamos para cada uma das novilhas (300kg), na ocasião, a ingestão de :300kg x 0,075 kg = 22,5kg de pasto.
Desta forma a sobra de pasto na invernada do lote Homeopático comportaria uma lotação maior que pode ser estabelecida da seguinte forma:
Sobra total de pasto / ingestão diária = UFL 145.238,43 + 22, 5 kg = 6.445,04 UFL a mais dividido pelo nº dias = nº de animais que poderiam permanecer adequadamente alimentados na mesma área no mesmo período.
Portanto: 6.445,04 UFL divididos por 365 dias = + 17,68 animais ,ou seja a invernada do lote HOMEOPÁTICO comportaria durante o ano inteiro mais 17 novilhas de 300kg significando 10,3% a mais que a lotação das 171 novilhas existentes desde o inicio do experimento.
Através dos resultados apresentados, verifica-se que a HOMEOPATIA tem um papel importante a desempenhar na Produção Animal.
O novo método de tratamento coletivo de rebanhos com medicamentos homeopáticos adicionados aos suplementos minerais, rações ou proteinados, por nós criado, recebeu o nome de HOMEOPATIA POPULACIONAL.
Este novo método de tratar rebanhos significa dentro da Doutrina Homeopatia uma ruptura de paradigmas.
A Homeopatia deixa de ser tão só INDIVIDUAL E CURATIVA, como a idealizou seu fundador SAMUEL HAHNEMANN, e passa a ter seus horizontes terapêuticos, graças a este novo método, consideravelmente ampliados deixando de ser só Individual e Curativa tornando-se também POPULACIONAL, ESTIMULATÓRIA E CURATIVA.
Produtos homeopáticos, devidamente estudados e experimentados, poderão trazer incontáveis benefícios à humanidade através da ação da HOMEOPATIA POPULACIONAL no campo da produção.
Este novo método de uso da Terapêutica Homeopática recém esboça (1996) os seus primeiros passos mas é fácil prever pelos resultados até agora apresentados que terá um promissor futuro.
No caso dos bovinos pode-se sintetizar sua ação

BIBLIOGRAFIA:

1. ANTONIE CLARIS Espaces Nouveaux de la Medicine, Ed. Lafont, 1a ed. Paris, 1977
2. CROLL PICARD A.S. Hahnemann et L´Homeopathie, Doin, 1a ed. Paris, 1933
3. DE MEDIO H. Introducion a la Veterinaria Homeopatica, Albatros, 1a ed. Buenos Aires, 1993
4. HODIAMONT G Homeopathie et Physiologie, Bailliere et Fils, 1a ed. Paris, 1949
5. JULIAN, O. A. Maitiére Medicale Homeopathique, Masson, 1a ed., Paris, 1981
6. JULIAN, O. A. Traité de Micro-immunothérapie Dynamiseé, Le François, 1a ed., Paris, 1977
7. POITEVIN B. Le Devenir de L’ Homeopathie, Dois, Paris, 1a ed., 1987
8. VANNIER L. L´Oeuvre de Samuel Hahnemann, Reveu L´Homeopathie Française 451-473, 1955
9. VANNIER L. A idéia da Homeopatia na História, Revista Homeopatia da APH, 59(1) 9- 20,1955

Você gostou? Compartilhar nas redes sociais.