67 3028 9000

+ TELEFONES

Cicatrização por 2ª intenção de grave lesão cutânea c/ uso de Pomada Homeopática.

Patrícia Martins de Rezende, Tulio Genari Filho, Simone Rosa Delfino

INTRODUÇÃO

A pele é considerada o maior órgão da espécie canina, através de suas múltiplas funções desempenha um importante papel na manutenção da saúde do organismo. Ela exerce funções de; resistência a traumatismos; proteção térmica, controle da temperatura corporal; dificulta a infecção por microorganismos e infestação de parasitas e ainda protege dos efeitos de agressões químicas e radiações.

Devido a essas funções a ruptura de sua integridade pode resultar em um desequilíbrio fisiológico substancial podendo levar ao óbito.

As lesões da pele nos animais vertebrados, dispara imediatamente um conjunto de efeitos moleculares sequenciais no sentido de reparação. Independentemente do tipo e extensão da lesão, a reparação passa por três fases de cicatrização: Fase Inflamatória aguda; Fase Proliferativa com formação do tecido granular e maturação e a Fase de Remodelagem onde ocorre a reepitelização.

Na Fase Inflamatória ocorre a migração de leucócitos (neutrófilos) para a área lesionada onde realizam a fagocitose de bactérias e elementos estranhos presentes no local, após, também migram macrófagos que continuam a fagocitose. Na Fase Proliferativa ou de reparo acontece o fechamento da lesão propriamente dita. A transição da fase inflamatória para a fase proliferativa é caracterizada pela proliferação de fibroblastos, pelo elevado acúmulo de colágeno e formação de estruturas endoteliais novas (neovascularização) no interior da lesão. Na Fase de Remodelagem que é a última ocorrem reorganização do colágeno e matriz e pode durar meses, levando ao aumento da força de tensão e diminuição do tamanho da cicatriz e do eritema.

Devido à extrema importância que a pele saudável possui na constituição e manutenção do equilíbrio orgânico é fundamental a utilizar-se de tratamentos eficazes para que cicatrize o mais breve possível evitando complicações.

A terapêutica homeopática em Medicina Veterinária está disponível para o tratamento de diferentes patologias, incluindo a cicatrização de lesões de pele. Além de promover naturalmente a rápida recuperação dos tecidos, o uso de medicações homeopáticas evita efeitos colaterais e intoxicações comuns com o uso intensivo de medicamentos alopáticos.

RELATO DE CASO

Em 23/10/17, um cão SRD, fêmea deu entrada na emergência da clínica com gravíssima lesão ulcerada na face direita, com perda significativa de tecido e exposição da arcada dentária superior direita (fig. 1). Não se conhece a causa da lesão, pois se tratava de animal de rua.

C:\Users\django\Desktop\Patrícia\Material Homeo Pet\Casos Clínicos\2018\CMR\Nova pasta\23-10-2017 IMG_6226.JPG

Fig 1

No exame físico animal apresentava desidratação moderada, bradicardia e hipotermia.

Após os procedimentos de emergência para estabilização, notou-se que na lesão havia presença de miíases. O animal foi sedado para retirada manual das larvas (fig. 2).

C:\Users\django\Desktop\Patrícia\Material Homeo Pet\Casos Clínicos\2018\CMR\Nova pasta\23-10-2017 IMG_6234.JPG

Fig. 2- após a retirada das larvas e inicio do tratamento com CMR

O tratamento consistiu em antibiótico terapia Ceftriaxona IV (dose 30 mg/kg) duas vezes ao dia por 10 dias e uso de pomada oftálmica a base de Acetado de Retinol e Aminoácidos no olho acometido. Para promover a cicatrização da lesão foi utilizado unicamente a pomada homeopática através de curativos diários.

Em apenas oito dias de tratamento a melhora da lesão era evidente, o tecido necrosado foi substituído por novo tecido e grande neovascularização (fig.3).

C:\Users\django\Desktop\Patrícia\Material Homeo Pet\Casos Clínicos\2018\CMR\Nova pasta\31-10-17 IMG_6357.JPG

Fig. 3 – 31/10/17- 8 dias de tratamento

Aos 16 dias a lesão estava com aspecto excelente, muito bem vascularizada e melhor definida com redução significativa do diâmetro (fig. 4).

C:\Users\django\Desktop\Patrícia\Material Homeo Pet\Casos Clínicos\2018\CMR\Nova pasta\09-11-17 IMG_6440.JPG

Fig. 4- 09/11/17 – 16 dias de tratamento

Em 24 dias a lesão já estava sendo recoberta por novo tecido epitelial e grandes áreas de fechamento (fig. 5).

C:\Users\django\Desktop\Patrícia\Material Homeo Pet\Casos Clínicos\2018\CMR\Nova pasta\17-11-17 IMG_6495.JPG

Fig. 5- 17/11/17 – 24 dias de tratamento

A cadela foi adotada pelo veterinário e permanece na Clínica até hoje.

A lesão cicatrizou completamente, inclusive com crescimento de pelos no local (fig. 6).

C:\Users\django\Desktop\Patrícia\Material Homeo Pet\Casos Clínicos\2018\CMR\Nova pasta\17-07-18.jpg

Fig. 6 – Consolidação atual 17/07/18

CONCLUSÕES

Considerando a gravidade e extensão da lesão, com substancial perda de tecido e o grau de infecção/infestação, a definição do tratamento foi adequada ao quadro, apesar da perda de visão do olho mesmo com a tentativa de medicações oftálmicas.

A pomada homeopática cumpriu seu papel.

Promoveu resolução contínua, rápida e eficaz, tendo perpassado pelas três fases da cicatrização mesmo com a severidade inicial a regeneração foi quase completa, apesar de ocorrer perda definitiva de tecido próximo aos dentes superiores.

Animal está saudável, se alimenta bem e tem uma vida normal.

REFERÊNCIAS

  1. MARTIN, P.; LEIBOVICH, S.J. Inflammatory cells during wound repair: the good, the bad and the ugly. Trends Cell Biol, p.599-607, 2005
  2. MARTINS, J.M. Uso da babosa (Aloe vera) na reparação de feridas abertas provocadas cirurgicamente em cães. Universidade Federal de Campina Grande – Centro de Saúde e Tecnologia Rural Campus de Patos-PB, Curso de Medicina Veterinária – Monografia, 2010. Disponível em: http://www.cstr.ufcg.edu. br/grad_med_vet/mono2010_1/mono_juliana.pdf. Acesso em 25/09/2013.
  3. MENDONÇA, J.R.; COUTINHO-NETO, J. Aspectos Celulares da Cicatrização, p.257-261, 2009.
  4. REZENDE, P. M; REAL, C. M.; CINATO, M. F. T.; WAGNER, C. E.; LIMA, G. V.; SOUZA, M. G. Cicatrização de Ferida por Segunda Intenção com Complexo Homeopático. 2013
  5. SOUZA, T.M.; FIGHERA, R.A.; KOMMERS, G.D.; BARROS, C.S.L. Aspectos histológicos da pele de cães e gatos como ferramenta para Dermatopatologia. Pesquisa Veterinária Brasileira, v.2, n.29, p.177-190, 2009.

 

Você gostou? Compartilhar nas redes sociais.

WhatsApp Fale Conosco